No mercado atual, a logística de transporte representa um dos pilares para o sucesso das empresas, constituindo-se como um fator de extrema importância para a conquista de um lugar de destaque perante a concorrência.

Independentemente do porte ou do segmento do negócio, os empreendedores devem implementar estratégias capazes de driblar as dificuldades impostas pelo cenário brasileiro para as operações de distribuição, armazenagem e entrega de insumos e produtos.

Para esclarecer melhor isso, o post de hoje apresenta uma lista com os 7 maiores desafios da logística de transporte e o que as empresas devem fazer para superá-los. Faça uma ótima leitura e tenha um excelente aprendizado!

Entenda o que é logística de transporte

Entre os pilares fundamentais para o sucesso dos negócios no mercado atual, cada vez mais conectado e globalizado, a logística de transporte pode ser definida como o ramo da logística responsável pela definição do modal ideal para transportar a maior quantidade de mercadorias com o menor custo e de maneira mais rápida.

Trata-se, portanto, de uma das principais funções logísticas, que contribui de maneira decisiva em várias dimensões do relacionamento com os clientes. Assim, além de concentrar boa parte dos custos logísticos, o transporte de mercadorias tem impacto transversal no desempenho das organizações a curto, médio e longo prazo.

Dessa forma, a logística de transporte configura-se como uma ação estratégica essencial para a construção de uma imagem positiva do negócio junto aos seus clientes, favorecendo o processo de fidelização ao possibilitar entregas rápidas e seguras.

A logística de transporte rodoviário, por sua vez, é um segmento de complexidade ainda maior, sobretudo no Brasil, onde os empresários e gestores enfrentam uma gama enorme de problemas relacionados à distribuição das mercadorias através das rodovias.

Os desafios diários enfrentados pelas empresas para mobilizar seus insumos e mercadorias de forma rápida e segura são, na verdade, parte de um contexto bem maior, que determina um alto custo para os negócios, independentemente do seu porte ou do seu nicho de mercado.

De acordo com os dados apurados pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), em um estudo realizado entre os anos de 2004 e 2016, a malha rodoviária brasileira tem quase 1,6 milhão de quilômetros (dos quais apenas pouco mais de 220 mil são pavimentados) e recebe um fluxo de mais de 2,4 milhões de caminhões, entre cavalos mecânicos, reboques e semirreboques.

Dessa forma, o primeiro passo necessário para driblar as dificuldades e alcançar a excelência em logística, promovendo o sucesso das organizações, é compreender quais são os maiores desafios atuais para o transporte de cargas no Brasil.

Por isso, convidamos você a fazer uma análise comparativa dos problemas levantados a seguir com a realidade da sua empresa. Vamos lá!

Conheça os 7 maiores desafios da logística de transporte

De uma maneira mais abrangente, é possível afirmar que a logística de transporte constitui, por si só, um dos principais gargalos logísticos vislumbrados no cenário da gestão empresarial em uma escala mundial.

Ao longo dos últimos anos, os gestores de todo o mundo intensificaram a busca por soluções rápidas, eficientes e de baixo custo para eliminar todos os problemas na distribuição, armazenagem e entrega, ajudando os negócios a crescer no mercado.

Saiba, agora, quais são os maiores desafios enfrentados no cenário brasileiro e como essas dificuldades afetam a produtividade e a competitividade das empresas.

1. Terceirização dos serviços logísticos

A grande maioria das empresas já reconhece os benefícios da terceirização dos serviços logísticos, optando pela contratação de empresas especializadas para simplificar a rotina de tarefas, economizar recursos e aumentar a produtividade.

No entanto, para que a terceirização possa ser, de fato, uma vantagem estratégica, é preciso contar com bons fornecedores logísticos, sendo que os critérios adotados pelos gestores durante a contratação dos parceiros nem sempre são os mais adequados.

Sem uma parceria de qualidade, é impossível fazer com que os produtos cheguem aos clientes no prazo certo e com as suas características totalmente preservadas. Nesses casos, as rotas percorridas são ineficientes, falta um controle adequado de avarias, e a comunicação com a empresa contratada é falha.

Por isso, ao contratar um fornecedor logístico, é preciso levar em conta questões como:

  • a reputação que o fornecedor logístico possui no mercado;

  • a adaptação dos serviços de transporte oferecidos às necessidades da empresa contratante;

  • os preços praticados para executar todas as entregas com excelência;

  • as condições e cláusulas do contrato de prestação de serviços;

  • o nível de produtividade a partir do qual o fornecedor mantém o compromisso firmado inicialmente.

Outro desafio atual da logística de transporte diretamente relacionado à terceirização dos serviços logísticos é a gestão de transportadoras, conforme explicaremos a seguir.

2. Gestão de transportadoras

Considerando a grande pressão por resultados vivenciada pelas empresas dos mais diversos segmentos, a gestão de transportadoras possui uma grande importância estratégica dentro da logística de transporte.

Apesar dessa constatação, muitas empresas ainda cometem erros que acarretam prejuízos para os clientes e para o negócio de maneira geral, comprometendo o seu desempenho no mercado.

As lacunas percebidas no relacionamento com esses parceiros vão desde o hábito de negligenciar o planejamento estratégico para coordenar a atuação das transportadoras até a ausência completa de ações de monitoramento de resultados.

Por outro lado, tão importante quanto coordenar o trabalho da transportadora contratada de forma eficiente é saber quais atitudes e padrões de atuação devem ser esperados da prestadora de serviços, tendo em vista a melhoria contínua das operações logísticas.

Sendo assim, as melhores transportadoras são assim classificadas por atuarem com flexibilidade e estarem sempre à disposição dos contratantes, agindo com rapidez na solução de problemas.

Essas transportadoras possuem uma frota moderna e com manutenção em dia, contam com profissionais capacitados e cumprem com todas as obrigações legais exigidas para o transporte de carga no Brasil.

É exatamente com esse tipo de fornecedor logístico que a sua empresa deve firmar parcerias para atender às necessidades dos clientes de maneira qualificada e garantir o sucesso das iniciativas de fidelização, conquistando confiança e admiração do público consumidor.

O bom trabalho na gestão de transportadoras facilita a superação de outro grande desafio da logística de transporte, o qual vem desafiando o planejamento estratégico das empresas de forma ainda mais notável ao longo da crise financeira e política que o país atravessa: a defasagem do frete.

3. Defasagem do frete

O gerenciamento do frete, por si só, representa um desafio gigantesco para as empresas dos mais variados segmentos, que precisam fazer suas entregas de forma rápida e segura, sem comprometer a qualidade da sua atuação junto aos clientes.

Porém, a crise enfrentada pela economia brasileira agravou a defasagem do frete, fazendo com que a logística de transporte tenha que lidar com valores ainda mais baixos do que os comumente praticados no mercado.

Para se ter uma ideia da dimensão desse problema na atualidade, basta observar as informações divulgadas pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), em agosto de 2017.

Segundo a pesquisa feita pela entidade em parceria com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a defasagem do frete nas operações de transporte rodoviário de cargas é de 20,89%.

Em se tratando do transporte de cargas fracionadas, o índice de defasagem é relativamente menor, mas igualmente preocupante, tendo sido observado um déficit de 7,72% nos preços praticados.

Com números como esses, toda a cadeia logística das empresas acaba sendo afetada, assim como os seus índices de produtividade, já que é preciso reduzir os custos de produção ao máximo para tentar equilibrar as perdas observadas com os valores de frete cada vez mais abaixo da média ideal.

Dessa forma, para lidar com todos os problemas desencadeados pela defasagem do frete, as empresas precisam, primeiramente, investir em um bom programa de gerenciamento de riscos, adotando uma postura proativa para antecipar demandas e criar soluções efetivas para sobreviver em meio à crise.

De fato, um bom gerenciamento de frete deve estar atento à muitas outras questões, que extrapolam a observação dos preços praticados pelas transportadoras, tais como:

  • os valores e o pagamento das taxas exigidas para as operações sob análise;

  • a emissão correta de todos os documentos legais;

  • a abrangência das operações no que diz respeito à cobertura da malha viária e à existência de restrições de envio;

  • a contratação do seguro de cargas e a adoção de outras medidas relacionadas à segurança no transporte de mercadorias.

Na verdade, a segurança das cargas, dos veículos e dos motoristas representa um dos maiores desafios da logística de transporte na atualidade. Continue a leitura e entenda o porquê dessa afirmação.

4. Segurança do transporte de cargas

Não é de hoje que a falta de segurança no transporte de cargas se tornou um dos maiores problemas enfrentados pelos empresários no Brasil. A atuação de quadrilhas especializadas causa danos ao patrimônio e coloca a vida das pessoas em risco, sendo que as últimas pesquisas realizadas sobre o problema não são nada animadoras.

De acordo com os dados apurados pela NTC&Logística, em 2016, foram registrados quase 25 mil ocorrências de roubo de cargas no país, ocasionando um prejuízo de mais de R$1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil reais) para as empresas afetadas.

Ainda segundo a entidade, as cargas mais atingidas pela ação dos bandidos são produtos de gênero alimentício, cigarros, bebidas, combustíveis, produtos eletrônicos, produtos farmacêuticos ou químicos e peças de automóveis.

Embora a região metropolitana do Rio de Janeiro sempre tenha se destacado pelos altos índices de violência, mantendo o estado fluminense no topo da lista de ocorrências, os números observados em Minas Gerais precisam ser considerados com cautela, uma vez que as estradas mineiras já ocupam a terceira posição no ranking do roubo de cargas.

Nesse contexto ameaçador, a contratação do seguro de cargas torna-se uma conduta obrigatória, necessária para garantir o ressarcimento de transportadoras e empresas diante das perdas causadas pela ação dos criminosos, além de proteger as mercadorias em caso de acidentes automobilísticos ou de más condições de armazenamento durante o transporte.

Além da contratação dos adicionais de seguro para compensar os prejuízos gerados pelo roubo de cargas, as empresas devem investir na adoção de medidas preventivas, baseadas em questões essenciais do planejamento de rotas, tais como:

  • capacitação dos motoristas e demais colaboradores para saberem como agir durante a abordagem dos bandidos;

  • definição de rotas variadas para as entregas, evitando ao máximo o horário noturno e os trechos com maior índice de assaltos;

  • avaliação da necessidade de contratação de uma escolta armada.

Entretanto, a execução de ações efetivas no combate ao roubo de cargas depende, diretamente, do emprego qualificado da tecnologia na logística de transporte, questão que representa mais um dos grandes desafios da atualidade.

5. Emprego qualificado da tecnologia

Ao longo das últimas décadas, a automação dos processos logísticos e da gestão empresarial como um todo tornou-se uma tendência inegável, sendo que as empresas que ainda negligenciam o emprego qualificado da tecnologia correm o risco de não sobreviver no futuro próximo.

Recentemente, estamos assistindo ao surgimento de novas áreas em logística, que oferecem demandas bastante específicas para o transporte de mercadorias, entre as quais é possível destacar a experiência do e-commerce e o conceito de same day delivery (entrega no mesmo dia, na tradução literal para o português).

Para a logística de transporte, os diversos softwares, aplicativos e demais inovações surgidas a cada ano constituem um fator de modernização e especialização, fazendo com que todas as operações realizadas ganhem em produtividade e economia de recursos.

De fato, a gestão de estoque, o gerenciamento de riscos, a rotatividade de produtos, a armazenagem e movimentação das mercadorias e todas as demais operações logísticas são favorecidas pelo uso das ferramentas tecnológicas desenvolvidas especificamente para dar suporte à logística.

Dessa forma, é possível afirmar que a eficiência no transporte de cargas é diretamente proporcional aos investimentos em logística feitos pelas empresas na atualidade, não importando a extensão da sua presença no mercado ou o tipo de produtos e serviços oferecidos ao público consumidor.

Assim sendo, a tecnologia e a inovação são os conceitos que devem estar no centro da visão adotada pelos gestores responsáveis por acompanhar as tendências do mercado e promover a integração dos processos logísticos da empresa.

É preciso garantir a consolidação de rotinas de trabalho flexíveis e atualizadas, capazes de acolher as demandas em constante alteração e o aumento do nível de exigência do mercado.

Além disso, os gestores devem estar bem atentos ao perfil do consumidor moderno, cada vez mais consciente dos seus direitos e mais exigente no que diz respeito à qualidade do processo de entrega, evento que representa outro grande desafio da logística de transporte.

6. Eficiência e rapidez na logística de entrega

Definitivamente, entregar mercadorias sem qualquer avaria e dentro do prazo proposto para o cliente no momento da compra não é uma tarefa simples para as empresas brasileiras.

Como se não bastassem os problemas gerados pela insegurança no transporte de cargas devido aos altos índices de roubo e as lacunas causadas pelo mau emprego da tecnologia, os empreendedores e gestores precisam lidar com outro fator extremamente prejudicial para a qualidade do serviço de entrega: as más condições das estradas.

Infraestrutura precária, falhas na pavimentação das rodovias, sinalização ineficiente e trajetos extensos e malplanejados elevam os custos da logística de transporte e causam um aumento tanto na quantidade de tempo necessária para realizar as entregas quanto nos danos causados às mercadorias devido a acidentes ou falhas no armazenamento.

Diante desse cenário, a logística de entrega representa, simultaneamente, um desafio e uma oportunidade de crescimento para as empresas, desde que elas se proponham a otimizar suas práticas e a trabalhar de forma constante pela melhoria dos resultados em todas as ações efetivadas desde o momento que o produto sai do estoque até a hora em que ele chega às mãos do consumidor.

Por meio de ações relacionadas inteligência geográfica e ao planejamento de rotas, além das ações preventivas contra o roubo de cargas e do emprego qualificado da tecnologia, as empresas podem melhorar sua performance e construir um relacionamento de confiança com seus clientes a partir da eficiência e rapidez nas entregas.

Sendo assim, a logística de entrega representa uma das mais recentes tendências do transporte de mercadorias, tornando-se um fator de extrema importância para a fidelização de clientes, permitindo que as empresas tenham um desempenho superior ao de seus concorrentes.

Além das exigências quanto à rapidez no recebimento dos produtos adquiridos, o consumidor atual está cada vez mais interessado em conhecer a postura da empresa com a qual ele se relaciona no que diz respeito à preservação do meio ambiente e à sustentabilidade, o que chama atenção para a necessidade de implementação da logística reversa.

Esse é o último desafio da logística de transporte sobre o qual falaremos no post de hoje!

7. Implementação da logística reversa

A logística reversa pode ser definida como o controle sistematizado do fluxo de materiais e produtos de uma empresa, desde o início da cadeia produtiva até a entrega no local de consumo e, posteriormente, de descarte dos resíduos.

Esse modelo logístico não é recente e seu surgimento foi desencadeado pelo crescimento da preocupação da sociedade mundial com a preservação ambiental e com a sustentabilidade das comunidades e dos negócios.

Nas bases da logística reversa estão o reconhecimento do problema de lotação dos aterros sanitários e a preocupação com o esgotamento das matérias-primas disponíveis na natureza, assim como o compromisso com o respeito às leis que protegem o meio ambiente.

No Brasil, algumas empresas já demonstram comprometimento com essas questões e procuram adotar iniciativas como a utilização de embalagens retornáveis e a adoção de sistemas de coleta seletiva de resíduos, entre outros exemplos.

No entanto, a implementação da logística reversa ainda representa um grande desafio para muitas empresas, que ainda não conseguem adequar suas práticas às exigências das novas resoluções ambientais em prática no Brasil nem acompanhar a evolução da gestão empresarial quanto à responsabilidade social e à sustentabilidade.

Os gestores devem ampliar as ações de acompanhamento da vida útil dos produtos por meio de ações específicas para lidar, por exemplo, com as mercadorias devolvidas com defeitos de fabricação ou devido à desistência de compra por parte dos clientes.

Para que tais avanços sejam possíveis, no entanto, as empresas devem investir na valorização do fator humano, pois somente o engajamento de toda comunidade organizacional pode promover o bom desempenho não apenas nas ações de logística reversa, mas na logística de transporte como um todo.

Agora que você já sabe quais são os maiores desafios da logística de transporte e como sua empresa pode lidar com cada um deles, vamos finalizar nosso post de hoje apontando as medidas necessárias para a estruturação completa do transporte de mercadorias.

Saiba como estruturar a logística de transporte da sua empresa

O primeiro passo para vencer os desafios do cenário e estruturar a logística de transporte da sua empresa consiste em aplicar os conceitos de inteligência e alta performance ao longo de toda a cadeia logística, considerando os processos de gestão do estoque, armazenagem, distribuição e entrega a partir de uma perspectiva estratégica e integrada.

Por meio da adoção de um programa de gestão de riscos bem-estruturado, os gestores devem promover melhorias constantes em todas as operações logísticas, fazendo da análise de resultados e da capacitação da equipe duas iniciativas primordiais.

A modernização da gestão e a comunicação organizacional eficiente também devem fazer parte das posturas adotadas pelas empresas que pretendem promover a estruturação completa da sua logística de transporte.

Por fim, é preciso acompanhar as tendências e inovações em logística e gestão de negócios para manter todos os processos gerenciais e operacionais sempre alinhados com o que há de mais vantajoso em termos de economia de recursos e aumento da produtividade.

Agindo dessa forma, é possível fazer dos processos logísticos o grande diferencial competitivo de uma empresa, conquistando resultados expressivos no mercado a curto, médio e longo prazo.

Chegando ao final do nosso post, você pode perceber que os desafios da logística de transporte não param por aqui. Para alcançar a excelência de forma definitiva, é preciso estar sempre em busca de conhecimento e de novas possibilidades para a otimização dos processos logísticos.

Nesse sentido, é preciso lembrar que os negócios e o mercado estão em constante evolução, desafiando empreendedores e gestores a tornarem-se cada vez mais comprometidos com a qualificação das ações efetivadas pelas empresas e, também, das pessoas que conduzem tais ações.

Portanto, para dar continuidade ao seu aprendizado e ajudar a sua empresa a ir cada vez mais longe, confira o nosso manual completo sobre os 5 maiores desafios da gestão logística para as empresas brasileiras na atualidade!