Você já ouviu falar em logística colaborativa? Forte tendência para os próximos anos, essa estratégia promete trazer inúmeros benefícios para as empresas e transformar as relações entre concorrentes em prol de uma logística mais eficiente e moderna.

Se você ainda tem dúvidas sobre esse conceito e deseja entender melhor como ele pode ser implementado em seu dia a dia, não deixe de conferir o post de hoje!

Reunimos informações relevantes e úteis sobre o tema para que você se atualize e se torne um profissional mais qualificado. Por isso, continue atento e prossiga com a leitura!

O que é logística colaborativa?

Falar em colaboração de logística parece ser um grande desafio, uma vez que grande parte das empresas encontram dificuldades em implementar a colaboração dentro de seus próprios limites. Mas esse cenário tem se modificado e, atualmente, é uma aposta de grandes empresas do mercado.

A logística colaborativa nada mais é que a colaboração e a sinergia entre a empresa e seus concorrentes e fornecedores em busca de avanços e melhorias em seus processos logísticos e, claro, de redução de custos.

Assim, o que parecia ser um paradigma, vem sendo superado e, por meio de ações conjuntas entre concorrentes, diversas empresas estão alcançando uma otimização expressiva de seus processos e crescendo no mercado.

Quais são as características desse modelo de atuação?

De modo geral, como o próprio nome sugere, a logística colaborativa se apoia na interação e diálogo entre empresas, fabricantes, distribuidores, clientes e prestadores de serviço de uma mesma área de atuação.

Apesar da concorrência natural entre eles, é estruturada uma comunicação efetiva a fim de assegurar que todos se ajudem e cresçam, dividindo estratégias de distribuição, convergindo demandas e intensificando seu poder de compra e venda.

Um exemplo clássico seria a união de duas empresas para efetivarem os processos de transporte. Assim, o caminhão poderia se deslocar abastecido com produtos de um negócio e retornar trazendo produtos para a outra empresa.

Imagine quanta economia poderia ser feita por meio de uma interação entre concorrentes? Enxergar a concorrência como aliada pode ser uma decisão inteligente na busca por mais competitividade e redução de custos logísticos.

Por que ela promete ser uma tendência?

Todo gerente logístico sabe que se destacar em meio a tantas empresas e conquistar a fidelidade de um cliente não é uma tarefa simples. Em um mercado cada vez mais qualificado e com consumidores mais exigentes, é preciso pensar além do comum.

Por esse motivo, a logística colaborativa tem sido considerada uma tendência importante para os próximos anos. Afinal, negócios mais tradicionais e resistentes à inovação acreditam que a concorrência agressiva — e, em alguns casos, desleal — é necessária para o processo de crescimento.

Por outro lado, gestores mais modernos e antenados às mudanças de mercado começam a perceber que unir forças é a melhor estratégia para se desenvolver e entregar um produto ou serviço de maior qualidade ao seu público.

Além disso, levando-se em consideração o aumento da preocupação com a responsabilidade social, não há como negar que essas estratégias contribuem para a redução da poluição e degradação ambiental — com a redução do número de viagens, reduz-se o gasto de combustível e emissão de gases da atmosfera.

Quais são as vantagens de se apostar em logística colaborativa?

Se você tem se interessado por esse conceito, mas ainda tem dúvidas sobre os benefícios que a logística colaborativa pode lhe oferecer, então é interessante que acompanhe os tópicos seguintes. Neles, reunimos os maiores benefícios dessa tendência. Acompanhe:

Redução de custos com armazenamento

Reduzir custos logísticos é o objetivo de todo gerente da área, e a logística colaborativa pode ser uma aliada importante na hora de cortar gastos com armazenamento de mercadorias.

De maneira simples, caso uma empresa possua espaço disponível em seu armazém, e outra necessite de espaço para guardar seus produtos, poderá existir uma união de esforços e compartilhamento do local.

O dinheiro recebido a título de aluguel pode ser aplicado em áreas estratégicas da empresa, e o outro negócio pode economizar bastante ao evitar a construção de um novo armazém ou centro de distribuição.

Redução de custos com transporte

Empresas que possuem frota própria muitas vezes têm um custo elevado de transporte, especialmente porque os caminhões voltam vazios das viagens. Com o compartilhamento, é possível acabar com essa falha.

O mesmo acontece com o uso do transporte de cargas fracionadas. A contratação de uma transportadora especializada nesse tipo de processo reduz os gastos e traz mais eficiência ao transporte de suas mercadorias.

Aumento da agilidade e eficiência logística

A logística compartilhada também pode ser interessante no que diz respeito à flexibilidade. Em resumo, sempre que você precisar realizar uma entrega, poderá contar com o auxílio da transportadora, evitando a espera pelo preenchimento de todo o compartimento do caminhão.

Quais boas práticas de logística colaborativa já existem no mercado?

Um bom profissional de logística deve estar atento a essas tendências, e talvez você ainda não tivesse ouvido falar de boas práticas de logística colaborativa. Mas saiba que elas existem e estão se ampliando cada dia mais! Confira alguns exemplos:

Compartilhamento de caminhões

O transporte é uma das etapas logísticas mais caras, porém existem maneiras de reduzir esses gastos, e uma delas é o compartilhamento de caminhões.

Seja por meio do transporte fracionado de cargas ou da repartição de um caminhão com outra empresa, é possível reduzir significativamente os gastos com essa etapa logística.

No Brasil, inúmeras empresas já apostam no fracionamento de cargas. Além disso, algumas redes de supermercados já compartilham caminhões de uma mesma transportadora durante a distribuição de suas mercadorias.

Centros de logística compartilhados

Baseado no conceito de economia colaborativa, os centros de logística compartilhados já estão sendo utilizados no país. Para explicar essa tendência, basta observar que mais de 12% do PIB brasileiro é consumido pela logística.

Como as indústrias e fábricas estão localizadas em áreas mais afastadas, não há como eliminar por completo esses gastos. Contudo, estratégias inteligentes são eficientes nesse aspecto. Manter vários centros de distribuição é sinônimo de mais investimentos em infraestrutura e mão de obra, e, nesse caso, o compartilhamento parece ser uma solução interessante.

O desafio, no entanto, é a mudança de comportamento. Focados no objetivo de reduzir as contas e aumentar sua eficiência logística, as empresas precisam olhar para o mercado e encontrar aliadas e não apenas concorrentes.

Conseguiu entender melhor como funciona a logística colaborativa? Conforme demonstrado ao longo deste material, estamos falando de uma prática que tende a se ampliar nos próximos anos em nosso país. Diante dos benefícios apresentados, é interessante que seu negócio incorpore esse conceito em seu dia a dia e adote estratégias inovadoras.

Já conhece nossas redes sociais? Se você gostou do post de hoje e quer acompanhar as novidades de perto, curta a nossa página no Facebook e siga o nosso canal no YouTube!